15 de octubre de 2014

-alexandre vargas /contra












permeia as asas das borboletas ler estes poemas...



ALEXANDRE VARGAS
N. 1952. Lisboa

POESIA DIGITAL

7 POETAS DOS ANOS 80

ROBOT- MARIE

Robot-Marie é qualquer coisa de tâo belo
que por palabras já nâo pode ser explicado
mas como estas sâo tudo o que â mâo tenho
irei dizer sem qualquer pressa ou atropelo


Que ela para mim de costas está voltada
mas sou eu próprio que me vejo atrás de mim
e se entâo irei passar a estar assim
é porque se encontra mais além um grande expelho


E sou eu mesmo que deste modo fujo
do que nâo me estava de certeza prometido
daquilo que por encontro eu depois vi

Talvez o tal expelo estivesse  embaciado
talvez já sobre ele um rumor sujo
me tivesse separado de Robot-Marie.






MIRAGEM

Todo o espectáculo da morte. O som do distante órgâo,
Oboés, vibrafones sobre todos os sentido. Cornetas.
Toda a distância, toda a distância.
Pássaros…presentes…
Lonjura, amor. O pesadelo pelo meu semelhante mira-
-me em flocos de vidro, vibra uma imagem musical na
Floresta de objectos expostos. A fatalidade mostra-me
Cascatas. Ouço o raspar de veludo nos meus ouvidos
Abertos nos día –implacável.
Escondo-me,
Eu o fantasma…no vento. O vento das grutas na pedra
porosa. Inter-digo entre frases eu “está bem” a brutalidade
das ruas voltadas.




CONTRA

Parto os dentes contra as pedras e os horizontes (eu
chamava-lhes os da nossa señora, eram arbustos… uma
noite um rouxinol cantou azul envolto numa aura lunar
extraordinária), insiro-me nas vibraçoes dos montes, com
os seus espectros, os seus fantasmas, os seus sons que
nos proporcionan um prazer secreto.
   Também estou no pátio do heroísmo perto de uma
espécie de porta no pequeno muro de pedra. O que eu
amei aquele momento de horizonte.


///////////////


ALEXANDRE VARGAS
N. 1952. Lisboa

POESIA DIGITAL

7 POETAS DOS ANOS 80



Vladimir Nabokov - Anatomical drawing of a butterfly

2 comentarios:

  1. No cometeré el sacrilegio de traducirlo con google, me zambullo una y otra vez en este lenguaje maravilloso, me estremezco. Una belleza. Un abrazo.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. abrazos Darío. este autor me ha volado la tapa de los sesos. Hay tal vez palavras que se me escapan, aunque es mi idioma materno.

      Eliminar

o tu no-comentario

on the road